Reportagem tendenciosa da Época comprova apetite do Grupo Globo em manter o jogo na ilegalidade


24/05/2016 Facebook Twitter LinkedIn Google+ Novidades



A reportagem tendenciosamente contraria a legalização dos jogos comprova que o Grupo Globo vai apostar todas as suas fichas para manter o jogo na ilegalidade. Os defensores da legalização dos jogos terão que enfrentar os atores sociais e políticos, além dos veículos das organizações Globo (O Globo, CBN, Época e TV Globo).

A estratégia já está desenhada e vem sendo aplicada em etapas. Inicialmente, o tema estava restrito ao O Globo, que além de veicular notícias e notas contrárias ao processo de legalização, já veiculou somente este ano, cinco editoriais contrários a legalização e, consequentemente, a favor dos jogos clandestinos.

Na última quarta-feira (19), a rádio CBN entrou em campo e promoveu debate entre o secretário de Relações Institucionais da Procuradoria-Geral, Peterson de Paula Pereira (membro do Ministério Público escalado para defender o jogo ilegal) com o presidente da Comissão Especial do Marco Regulatório dos Jogos da Câmara dos Deputados, deputado Elmar Nascimento (DEM-SP). Neste debate o procurador afirmou que a “Regulamentação dos jogos de azar não aumentará arrecadação“.

No sábado (21), a Rádio CBN Goiânia, promoveu o debate ‘Especialistas debatem legalização dos jogos de azar’ no programa Ponto de Vista entre procurador da República, Jorge Luiz Medeiros e o advogado especialista em regulação de jogos, Luiz Felipe Maia. O procurador seguiu a linha defendida pelo Peterson de Paula, que a legalização servirá ao crime organizado e para lavagem de dinheiro. Além disso, destilou total ignorância sobre os jogos, mas o saldo acabou sendo positivo para o processo.

Os editores das mídias ‘globais’ se aliaram aos procuradores do Ministério Público para combater a legalização e, neste vale tudo, tem espaço para dados mentirosos e equivocados, previsões catastróficas, remissão ao passado, enquetes e reportagens tendenciosas.

WhatsApp chat
-->