Crise penitenciária motiva mídia a defender legalização das drogas


19/01/2017 Facebook Twitter LinkedIn Google+ Novidades



Estamos vivendo uma crise anunciada no sistema carcerário e como resultado o Brasil poderá assistir à legalização das drogas como alternativa ao esvaziamento das cadeias. Existe uma intensa movimentação para descriminalização das drogas com a simpatia de parte do judiciário, governo e mídia.

No último sábado, a Folha de São Paulo manifestou-se através do editorial ‘Reorientação radical’, em que o jornal paulista defende não só a descriminalização, mas a legalização das drogas.

“Quanto às drogas, trata-se não só de descriminalizar seu uso (eliminar ou abrandar punições ao consumidor) mas também de legalizá-las (autorizar também a produção e a venda).

Não seria um processo simples. A liberação deveria ocorrer de forma gradual e passar por consulta popular; a iniciativa precisaria receber apoio multilateral.

Justifica-se porque os trilhões de dólares que o mundo já gastou na repressão não diminuíram a demanda nem a oferta. A proibição, aliás, aproveita aos traficantes, pois encarece a droga; por outro lado, a produção e a venda, se controladas e taxadas, gerariam verbas para prevenção e tratamento.

Esta Folha há muito tempo defende essa reorientação —e hoje ela se mostra especialmente oportuna para enfrentar a crise penitenciária e sufocar as facções criminosas que se alimentam do caos.”

 

A coluna Panorama Político do O Globo desta quinta-feira veicula a nota ‘Fugindo das drogas’, que informa que a “crise penitenciária levantou a discussão sobre a descriminalização das drogas, mas o Planalto quer distância do tema. Michel Temer está sendo aconselhado a não entrar no assunto, que divide a sociedade. Do outro lado da Praça dos Três Poderes, no STF, há favoráveis à causa. Além dos três ministros que já votaram a favor, a presidente da Corte, Cármen Lúcia, simpatiza com a ideia.”

Também no O Globo, a nota ‘4:20’ da coluna do Ancelmo Gois, informa que “foi aberta, no portal do Senado, a votação popular sobre a regulação do “uso recreativo, medicinal e industrial” da maconha. Até ontem à noite, havia quase 9 mil votos a favor, e só 460 contra”. Lembrando que o jornal carioca já defendeu através de vários editoriais a legalização da maconha.

Comento

O curioso neste processo é que os argumentos usados para a legalização das drogas são os mesmos que justificam a legalização dos jogos.

WhatsApp chat