Recurso a Meirelles


28/11/2017 Facebook Twitter LinkedIn Google+ Novidades



Para tentar evitar o fim das loterias estaduais com a privatização da Lotex, o presidente da Loterj, Sérgio Ricardo de Almeida, acaba de enviar um recurso ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. “Tenho esperança de reverter. Seria uma perda para todos os estados que contam com loteria instantânea”, diz Almeida. Por aqui, a Raspadinha e o Rio de Prêmios geram mais de R$ 200 milhões por ano de receita para o estado. Em 2017, R$ 21milhões foram repassados a projetos sociais.

O DIA: Por que a privatização da Lotex seria prejudicial ao país?
ALMEIDA: Esse decreto -leifere os mais elementares princípios da administração pública, tais como a continuidade do serviço público além do princípio geral da livre concorrência. Ao privatizar, você estará colocando todo o processo na mão de só uma empresa ou grupo.
Trazendo agora a privatização aqui para o nosso estado, qual seria o impacto?
ALMEIDA: Prejudicaria muito os projetos sociais. Este ano, a Loterj repassou R$ 21milhões para Apaes (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), Associação Pestalozzi, Casa da Mulher (vítima de violência) e Casa da Criança (vítima de violência). No cenário de penúria pelo qual o estado passa, manter esse apoio da Loterj para causas como essas é essencial. A privatização também geraria desemprego e afetaria 4 mil pessoas que trabalham em postos de venda de loteria. A economia perderia muito, já que a Raspadinha gera receita de R$ 200 milhões por ano ao estado. E, se algumas alterações fossem aprovadas, como a de fazer jogos instantâneos pela internet, poderíamos alcançar até R$ 1 bilhão por ano.
Termine de ler a notícia na Fonte: BNL Data

WhatsApp chat