Quanto é que um português gasta por semana em jogos sociais?


11/08/2018 Facebook Twitter LinkedIn Google+ Novidades



Jogar? Sim. São muitos os portugueses que testam diária, semanal ou apenas ocasionalmente a sua sorte nos chamados “jogos de sorte e azar”. Euromilhões, totoloto, totobola, raspadinhas, placard ou loteria são os principais instrumentos ao dispor para tentar amealhar euros extra ou, quem sabe, conquistar milhões.
Seja qual o objetivo traçado, certo é que o “bolo” das apostas em Portugal nunca foi tão elevado. Só no ano passado, os portugueses desembolsaram mais de três bilhões de euros para tentarem a sua sorte.
De acordo com o relatório e contas de 2017 da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, entidade a quem compete gerir os jogos sociais da Santa Casa, os portugueses apostaram um total de 3,028 bilhões de euros nos diferentes jogos. Este montante representa um aumento de 9% face ao valor das apostas contabilizadas no ano anterior e é, também, o mais elevado do histórico da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.
pesar de não ser uma conta exata — já que nem todas as pessoas se deixam tentar pelos jogos sociais, nem se dispõem a gastar a mesma quantia — ao distribuir esse “bolo” total de três mil milhões de euros pela população adulta portuguesa (8,536 milhões de indivíduos), significa um investimento semanal médio de cerca de sete euros por apostador.
Metade das apostas é a raspar
Mas no que toca a jogos, há preferências que sobressaem. As popularmente conhecidas como “raspadinhas” destacam-se como o jogo preferido pelos portugueses. No ano passado, perto de metade do dinheiro que decidiram “colocar a jogo” teve como destino essa categoria de jogos.
O montante das apostas na lotaria instantânea (designação técnica) ascendeu a 1.487 milhões de euros. Foi também o jogo cujos montantes das apostas mais cresceram entre 2016 e 2017: foram mais 128 milhões de euros. Distribuindo essa quantia pela população adulta portuguesa, representa um gasto semanal de quase 3,5 euros.
No ranking das apostas, segue-se o Euromilhões. Em 2017, este jogo conjuntamente com o M1lhão arrecadou 851 milhões em apostas dos portugueses, ou o correspondente a 28% do montante total aplicado em jogos da sorte. A fechar o pódio fica o Placard. No ano passado, os portugueses apostaram 502 milhões de euros no jogo que foi criado há menos de três anos. Ou seja, 30% acima do registado em 2016, com o placard a valer já cerca de um sexto do total de apostas.
Estes três jogos acabaram por destronar os “velhinhos” totobola, totoloto e lotaria. Cada vez menos portugueses investem o seu dinheiro nesses jogos. Conjuntamente, mereceram menos de 150 milhões de euros em apostas no ano passado.
Fonte: ECO Economia Online

WhatsApp chat
-->