Fora da lei, mas dentro da tecnologia, jogo do bicho segue livre


06/10/2018 Facebook Twitter LinkedIn Google+ Novidades



Não só continua espalhado pelas ruas, como teve de se modernizar para não perder a clientela. O jogo do bicho, apesar de ilegal, também teve de se render à tecnologia e passou a ser feito por meio de aplicativo para celular.

As apostas na “loteria clandestina” antes eram feitas em cartelas de papel, que no fim do dia eram recolhidas para o sorteio da premiação. O apostador ficava apenas com um rascunho para conferir o jogo. Hoje, a aposta é feita pelo celular e o apostador recebe um comprovante de que fez a aposta impresso.

No ramo há 13 anos, um cambista – como são chamadas as pessoas que vendem os jogos – topou dar entrevista sem se identificar. Ele conta como foi a evolução da bolsa de apostas ilegais.

“Aqui no Mato Grosso do Sul, que eu sei, o aplicativo funciona só em Campo Grande e em Dourados, inclusive o programa deles (da cidade do interior) é melhor que o nosso, dá pra fazer várias apostas de uma vez só, aqui eu tenho que fazer uma de cada vez. O aplicativo chegou de lá de cima (comando do jogo do bicho), nós não tivemos opção de escolher se queríamos continuar com o talão ou não”.

O cambista revela ainda que os clientes se sentem mais seguros com as apostas eletrônicas. “A gente joga a aposta no aplicativo e imprime uma via que fica com o apostador, isso traz mais segurança para, porque antigamente o motoqueiro podia perder ou acontecer qualquer coisa com sua aposta e você não tinha como prova”, pontuou.
Termine de ler na Fonte: Campo Grande News 

WhatsApp chat