Pedro Guimarães toma posse como presidente da CAIXA


07/01/2019 Facebook Twitter LinkedIn Google+ Novidades



O novo presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, tomou posse nesta segunda-feira (07) em solenidade no Palácio do Planalto. No discurso de posse, ele afirmou que terá como metas ampliar o microcrédito e o atendimento a comunidades carentes, vender ativos para que a instituição continue a crescer no mercado imobiliário e pagar dívidas via venda de participações em empresas controladas pelo conglomerado.

Guimarães exaltou o tamanho da CAIXA e disse ter muito orgulho de presidir a instituição. “A CAIXA é uma nação. É o quinto maior banco do mundo com 93 milhões de clientes. Se fosse um país, seria o 15° país do mundo. É o maior banco do Brasil e da América Latina”, afirmou.

Guimarães informou que dedicará os fins de semana a visitar todos os estados brasileiros e ouvir a população. “Nas próximas 27, 30 semanas, estaremos sábado e domingo em cada um dos estados do Brasil. O primeiro estado vai ser Roraima, o segundo estado vai ser o Amazonas. Quero ouvir das pessoas o que elas pensam da CAIXA. No sábado, nós vamos falar com os clientes, e no domingo, vamos ouvir as comunidades carentes”, detalhou.

Metas 
As metas destacadas pelo presidente na posse foram o financiamento imobiliário, o microcrédito, o consignado e a infraestrutura. Para Pedro Guimarãoes, “o foco número um da CAIXA é atender às pessoas carentes e às menores empresas”, e por isso, as atividades essenciais do banco serão voltadas para esse público.

O banco atuará em prol das comunidades carentes e vai ampliar a atuação na região amazônica. “Nosso foco serão as comunidades carentes onde podemos ter um impacto relevante com uso mínimo de recursos. Um exemplo: existem dois barcos da CAIXA que atendem comunidades carentes na região amazônica, em locais que não têm água, luz, esgoto, onde as pessoas morrem de fome”, disse. Segundo o presidente, esse número poderá ser ampliado para três ou quatro agências-barco. 

Para o micro e pequeno empreendedor, o banco vai ampliar o microcrédito. “Eu não me conformo de ter pessoas tomando dinheiro a 15%, 20%, 22% ao mês. Tenho certeza que ninguém se conforma. O Brasil pode ser um diferencial no microcrédito”, disse Guimarães.  Segundo o presidente, a CAIXA vai estabelecer parcerias com o Banco do Nordeste e o Banco do Brasil nas operações de microcrédito. 

Guimarães afirmou ainda que vai trabalhar, via securitização no mercado financeiro, para que a instituição continue a crescer no mercado imobiliário. “É fundamental discutir mais profundamente a área de habitação, que é o coração da CAIXA, e hoje em dia, com R$ 500 bilhões, falta funding. Via mercado de capitais, vamos vender de R$ 50 a R$ 100 bilhões para a CAIXA poder continuar a ofertar esse crédito”, explicou.

Durante a cerimônia, o novo presidente disse que a CAIXA tem R$ 40 bilhões em dívidas em Instrumento Híbrido de Capital e Dívida (IHCD) e que ela será paga via a venda de participações em empresas controladas pelo banco. “Temos quatro anos para pagar e nós faremos isso via venda de participações em empresas controladas: seguros, cartões, asset e loterias, e já começa agora, pelo menos duas, esse ano”, afirmou Guimarães.

Sobre o presidente 
Natural do Rio de Janeiro, Pedro Guimarães é Ph.D. em Economia pela University of Rochester, mestre em Economia pela FGV/RJ e bacharel em Economia na PUC/RJ. Com mais de 20 anos de experiência no mercado financeiro, já atuou em importantes instituições. Foi analista de research do setor financeiro, e recebeu, por diversas vezes, o prêmio de melhor analista do Brasil, das revistas especializadas Institutional Investor e Investidor Institucional.

Além do presidente da República, Jair Bolsonaro, participaram da solenidade, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, o ministro da Economia, Paulo Guedes, e os novos presidentes do Banco do Brasil, Rubem Novaes, e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, entre outras autoridades.
Fonte: CAIXA

WhatsApp chat