Mulher perde prêmio de 10 mil euros em raspadinha por ter bilhete rasgado


27/04/2019 Facebook Twitter LinkedIn Google+ Novidades



“Tinha prometido ao meu marido que, se algum dia ganhasse um prêmio na Raspadinha, lhe comprava um papa-reformas (microcarro). Pensei que podia ser agora, mas afinal, ainda não é desta porque não vou receber o dinheiro”.
Maria Freitas, uma desempregada de 57 anos, de Guimarães, ganhou 10 mil euros, em fevereiro, numa raspadinha de três euros, mas não tem direito ao prêmio porque o bilhete está rasgado. Desolada, a apostadora garante que não voltará a jogar.
“O bilhete apresenta um ligeiro rasgão, na lateral do lado esquerdo, uma coisa mínima, mas tem todas as letras e todos os números intactos. Não compreendo este critério”, desabafa ao CM Maria Freitas, que viu o Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa negar-lhe o prêmio.
A desempregada, apostadora habitual de raspadinhas, comprou o bilhete premiado a 14 de fevereiro deste ano, num quiosque no centro da cidade de Guimarães.
“Era uma ‘Moedas da Sorte’. Quando raspei, tive uma alegria muito grande ao ver que tinha prêmio. Coloquei o bilhete na carteira e, quando fui aos serviços da Santa Casa, no Porto, disseram-me que não iam poder pagar o prêmio porque o bilhete se apresentava rasgado”, contou.
Maria ainda recorreu para o Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, mas a decisão do júri de reclamações foi a mesma. “Após análise do bilhete, constata-se que se encontra rasgado”, informa a decisão.
“Não consigo aceitar estes critérios e, por isso, acho importante divulgar esta injustiça para chamar a atenção de outras pessoas porque a Santa Casa vai ao mínimo pormenor para não pagar o prêmio”, atira a vimaranense, inconformada com a decisão que lhe negou o prêmio de 10 mil euros.

Fonte: Correio da Manhã

f