Depois da queda histórica em fevereiro, março poderá registrar queda de 50% nas receitas do jogo de Macau


07/03/2020 Facebook Twitter LinkedIn Google+ Novidades



Em fevereiro, o setor do jogo registrou uma quebra nas receitas de 87,8%, em comparação com o mesmo mês de 2019. Apesar de menos significativas, as quebras nas receitas da indústria deverão continuar este mês. Tanto para Glenn McCartney, professor da Universidade de Macau (UMAC), como para o economista Albano Martins, neste mês deverá verificar-se uma descida de 50% nas receitas da indústria, face ao mesmo período do ano passado. Glenn McCartney indicou ao PONTO FINAL que o regresso gradual dos turistas vai ser o principal fator de recuperação. Albano Martins explicou que será o jogo VIP a dar resposta às perdas.

Segundo os dados divulgados pela Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ), o setor do jogo sofreu uma quebra nas receitas na ordem dos 87,7% em Fevereiro, mês durante o qual os cassinos estiveram fechados durante duas semanas, como medida de prevenção do coronavírus. Em Fevereiro de 2019, as operadoras de jogo tinham arrecadado 25,37 mil milhões de patacas, enquanto neste último mês de Fevereiro registraram uma receita de 3,1 mil milhões de patacas. Além disso, os dados revelados pela DICJ no domingo dão conta de uma queda de 50% na receita bruta acumulada ao longo dos primeiros dois meses de 2020, face ao acumulado de janeiro e fevereiro de 2019.

Glenn McCartney disse não ter ficado surpreendido com estas quedas. “Sabíamos que seria uma descida significativa”, indicou, explicando que estes números são “o reflexo não apenas das duas semanas de fechamento, mas também do fato de antes e depois do fechamento ter havido uma quebra”. “Por isso, já estava à espera que se registrasse uma descida dramática”, afirmou o professor universitário.

Durante este mês, a queda nas receitas deverá continuar, na opinião de Glenn McCartney: “Agora os cassinos já reabriram, mas mesmo assim vai-se registrar uma queda significativa. Não vai ser 90%, será menos, porque os cassinos estão abertos, há algum negócio”. O especialista na indústria do jogo, não quis arriscar um número concreto para as quebras de março, já que “nunca lidamos com uma situação como esta no passado, nunca tivemos este tipo de impacto”. “Não seria preciso se dissesse que [as perdas] seriam de 70% ou 80%, mas de certeza que será mais de 50%”, acabou por adiantar Glenn McCartney.

“Acho difícil dar percentagens concretas porque as políticas podem mudar amanhã, talvez nos próximos dias as coisas mudem. Há muitas variáveis a ter em conta”, afirmou. O docente da UMAC escolheu o regresso dos visitantes como fator fulcral para que as receitas comecem a voltar ao normal: “Um dos cenários previsíveis é de que possa haver um recuo gradual nas medidas de restrição [de entrada]. Isso irá ajudar a que as receitas comecem a aumentar”. Lembre que, logo no início da propagação do novo coronavírus, o Governo decidiu suspender os vistos individuais e de excursões do interior da China para Macau, foram também impostas restrições a quem tenta entrar vindo das zonas de maior incidência do vírus, por exemplo.

O irlandês está em Macau há 23 anos e diz nunca se ter cruzado com uma crise do gênero. Em 2003, por altura da SARS, McCartney era professor de gestão de turismo e gestão de eventos no Instituto de Formação Turística (IFT) e diz não haver comparação com os danos provocados pelos dois coronavírus. “Mas temos de ver que as coisas eram diferentes, não havia o Cotai Strip e não tínhamos a procura que temos hoje. Só havia os cassinos da península. Não tínhamos tantos visitantes da China”, lembrou. Na altura da SARS, os cassinos não chegaram sequer a fechar.

Quanto aos cassinos que ainda não reabriram após o Governo ter indicado que podiam retomar atividade, Glenn McCartney acredita que será por motivos econômicos: “Não há clientes, é uma razão econômica. Se abrirem os cassinos mas não tiverem clientes, porque é que vão abrir? Querem esperar pelos clientes e visitantes para depois abrir”.
Fonte: Ponto Final 

WhatsApp chat