Caixa Loterias pode precisar de uma lei específica para abertura de capital


23/07/2020 Facebook Twitter LinkedIn Google+ Novidades



Em entrevista transmitida ao vivo pelo portal InfoMoney, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães detalhou o IPO e o motivo de abrir o capital da Caixa Seguridade antes de outras subsidiárias, como Caixa Loterias ou Cartões.

A abertura de capital da Caixa Seguridade, braço de seguros e previdência do banco estatal, deve acontecer em outubro, com o banco mais digital e mais presente entre pequenos empresários e a população de baixa renda.

“A Caixa hoje é muito diferente de março, nós temos uma plataforma digital, o Caixa Tem, com mais de 100 milhões de pessoas. […] E essa operação do Pronampe, de aproximação às pequenas e micro empresas, gerou outro nicho de receita para a operação de seguros, que não existia”, disse Guimarães.

O anúncio da oferta inicial de ações, ou IPO, na sigla em inglês, foi feito no início de 2019, e a estimativa inicial era que fosse concluído em abril. Mas, com a pandemia, em março o banco decidiu adiar a entrada na Bolsa.

IPO da Caixa Cartões e Caixa Loterias?

Na entrevista, Guimarães também respondeu por que realizar o IPO da Caixa Seguridade antes de outras subsidiárias do grupo. Segundo ele, as conversas sobre a abertura de capital da empresa começaram em meados de 2015, quando ele ainda estava no setor privado e Joaquim Levy comandava a pasta da Economia.

“A Caixa Seguridade é a primeira porque está pronta, mais madura. Na asset [gestora de recursos] ainda estamos finalizando a criação da DTVM [Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários]; na Caixa Loterias há uma discussão sobre a necessidade de uma lei específica para que possamos abrir o capital”, explica.

A Caixa Cartões também estaria no páreo do IPO, segundo Guimarães, mas como é a primeira operação de abertura de capital do grupo é importante começar com uma empresa que já tenha exemplos similares no mercado.
Fonte: InfoMoney

WhatsApp chat
-->